Rupi Kaur: poeta reconcilia o passado das mulheres indianas e transforma sua dor em tema universal

Por Fernanda Fatureto



Os skihs são seguidores de uma religião monoteísta na Índia que mescla elementos do hinduísmo com o islã. Em 1984, houve o maior massacre desse povo pelo exército indiano por conta do assassinato da primeira-ministra Indira Gandhi por dois guarda-costas skihs. Ao invés de punir apenas os culpados, vários militares invadiram um templo e violentaram sexualmente centenas de mulheres, além de matarem seus maridos. O acontecimento ficou registrado na memória de todos até ganhar os holofotes da imprensa mundial em 2014 pela voz de Rupi Kaur: a poeta indiana que alcançou o primeiro lugar na lista dos mais vendidos do The New York Times com o livro Milk and Honey.

Rupi Kaur, radicada no Canadá desde os quatro anos de idade, fez sua incursão no universo literário aos 21 anos com a auto-publicação de seu primeiro livro pela Amazon. A postagem de seus poemas no Instagram fez tanto sucesso, atingindo a marca de um milhão de seguidores, que os desdobramentos do livro digital impressionaram a Andrews McMeel Publishing. Logo, Milk and Honey foi lançado pela editora americana e o livro se transformou num verdadeiro sucesso de vendas e crítica – também no Brasil, traduzido para Outros jeitos de usar a boca pela poeta Ana Guadalupe e lançado este ano pela Editora Planeta. Por aqui, ganhou adeptos e é referência quando se fala de literatura feminista em rodas de discussão.

Isso porque Rupi Kaur consegue escrever sobre temas que são como ferimentos para o universo feminino, tal qual o estupro; a violência física e emocional; o abuso infantil; o amor e a regeneração quando disposta a encarar a dor e seguir em frente. A palavra se transformou em elemento de cura para a poeta e talvez seja isto que atraia tantos leitores pelo mundo.

O início sem concessões dá uma pista do que virá: “como é tão fácil pra você/ser gentil com as pessoas ele perguntou/leite e mel pingaram/dos meus lábios quando respondi/porque as pessoas não foram/gentis comigo”; nos diz o primeiro poema. Conseguir ter voz e poder alcançar milhares de pessoas em um mundo não é fácil para a mulher, muito menos para uma mulher indiana, mas esse feito Kaur consegue na poesia. É uma poesia direta e simples, sem uso de metáforas complexas, mas o resultado torna-se repleto de força ao tocar em temas tabus. Em uma entrevista para o The Gardian, Kaur declara: “Quando eu nasci, já havia sobrevivido à primeira batalha da minha vida: o feticídio de meninas. Mas nós enfrentamos tudo. Minha poesia é uma das rotas para isso”. O feticídio – a matança de bebês do sexo feminino  – é prática comum Índia.

Outra rota é afirmar-se por sua etnia no Ocidente; como rebela seu poema: “nossas costas/contam histórias/que a lombada/de nenhum livro/pode carregar – mulheres de cor”. Seu feito também está em expor a relação de mulheres com homens violentos e situações opressivas: “toda vez que você/diz para sua filha/que grita com ela/por amor/você a ensina a confundir/raiva com carinho/o que parece uma boa ideia/até que ela cresce/confiando em homens violentos/porque eles são tão parecidos/com você”.

Dividido em quatro partes – a dor, o amor, a ruptura, a cura – um dos maiores feitos de Outros jeitos de usar a boca é não ter medo de expor a vulnerabilidade da mulher e a capacidade de superação. Cada leitora de Kaur parece abraçar a ideia de que onde haveria vergonha em assumir medos, há na verdade um espaço para a auto-aceitação e o enfrentamento. Como afirma Rupi Kaur no seu próprio livro: “o mundo/te dá/tanta dor/e você aí/transformando a dor em ouro”.

***
Fernanda Fatureto é poeta e jornalista. Bacharel em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Seu livro de estreia Intimidade Inconfessável foi publicado em 2014 pela Editora Patuá. Participa da antologia poética 29 de Abril: o verso da violência (Editora Patuá, 2015); da antologia Subversa 2 (Editora Patuá, 2016) e da antologia Senhoras Obscenas (Editora Benfazeja, 2016).  Possui poemas em diversas revistas literárias do Brasil e na revista InComunidade de Portugal.


Comentários

LIGIA disse…
Esse mundo que viola, vilipendia mulheres e os mais frágeis foi inventado, através de lendas, pelo Homem Conservador. Que via nessa população um meio de incutir medos, crenças falsas, crendices, pra poder subjugar povos e apropriar-se de graça de suas vítimas para obter lucro, poder e status, e o faziam em nome de um Deus ou deuses. Nos dias de hoje, está infiltrado esse imaginário nas populações que ainda permitem serem conduzidas como massa de manobra e bois de canga. Alguém ganha com isso. Mas a autora foi tenaz corajosa para denunciar essa monstruosidades que tiranos covardes, angariam proveito e muito lucro.

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236