Coisas que não quero saber, de Deborah Levy

Por Fernanda Fatureto



A escritora sul-africana Deborah Levy esteve na Festa Literária Internacional de Paraty 2017 e apresentou Coisas que não quero saber publicado pela Autêntica Editora. Também sua mesa na Flip, dividida com o escritor e surfista William Finnegan, teve um público considerável. Deborah Levy tinha, antes da Flip, apenas um livro traduzido no Brasil – Nadando de volta para casa, romance editado pela Rocco em 2014. Toda essa curiosidade pelo universo de Levy se dá, em parte, pela temática: Coisas que não quero saber é uma resposta ao ensaio Por que escrevo, de George Orwell, escrito entre 1928 e 1949. Uma resposta pela perspectiva da mulher e em diálogo com algumas escritoras que antecederam, em seus discursos, o movimento feminista como Simone de Beauvoir e Virgínia Woolf. De Woolf, mais especificamente o ensaio Um teto todo seu, de 1929, numa época em que era raro uma mulher frequentar as universidades na Inglaterra.

Responder à questão “por que escrevo” é o cerne do livro. Em Coisas que não quero saber, Levy mantém dividido em quatro partes como fez Orwell os capítulos cujos títulos são: objetivo político; impulso histórico; puro egoísmo e entusiasmo estético. A narrativa biográfica permeia todo o ensaio. Deborah Levy começa investigando o motivo que a leva a chorar toda vez que sobe as escadas rolantes das estações de trem em Londres. Nesse tempo, Levy já morava na Inglaterra há anos e era, praticamente, considera inglesa. Mas nasceu na África do Sul e vivenciou o apartheid que segregava brancos e negros controlados por um rígido sistema que punia e perseguia aqueles que defendiam direitos iguais para todos. Seu pai foi vítima desse sistema. Era membro do Congresso Nacional Africano e o governo tinha banido o CNA por lutarem por uma sociedade mais justa. Naquela época, Nelson Mandela também estava preso. “(…) As crianças brancas tinham um medo secreto das crianças negras e lhes faziam outras maldades. (…) Se você faz uma maldade com alguém, é porque não se sente seguro. E se não se sente seguro, não se sente normal. Os brancos não eram normais na África do Sul. Eu tinha ouvido a história toda do Massacre de Sharpeville que aconteceu um ano depois que eu nasci, de como a polícia branca matou crianças, mulheres e homens negros a tiros, de como choveu depois disso e de como a chuva lavou o sangue”, escreve Levy.

Naquela época, ainda menina, tinha dificuldade para falar enquanto sua voz saía muito baixo: “Na escola, quando eu tentava falar, fazia um esforço enorme para minhas palavras saírem alto. O volume da minha voz tinha sido abaixado, e eu não sabia como aumentá-lo. O dia inteiro me pediam para repetir o que eu tinha acabado de dizer, e eu tentava, mas repetir as coisas não as tornava mais altas.” A voz abaixada era uma metáfora do que tinham feito com seu pai. Levy levava sua infância sem entender como funcionava a desigualdade. O pai, a mãe, ela e seu irmão eram brancos – o que aumentava o desentendimento entre pessoas que defendiam a segregação racial e não entendiam como o pai da garota defendia os negros.

Para projetar a voz, decidiu escrever. “Disseram-me para expressar meus pensamentos em voz alta e não só na minha cabeça, mas resolvi escrevê-los. (…) Encontrei uma esferográfica e tive o impulso de escrever meus pensamentos. O que saía da caneta para o papel era mais ou menos tudo o que eu não queria saber. Papai desapareceu.” A escrita se tornou refúgio, uma maneira de estar no mundo para que todos a ouvissem. O pai ficou preso por quatro anos. Ao voltar para casa, mudou-se com a família para Londres. No exílio, aos quinze anos, Deborah Levy procurava uma maneira de se integrar e esquecer o que havia acontecido na África do Sul. Em um momento da narrativa, a escritora pergunta: “ Como as pessoas se tornam cruéis e depravadas? Se você tortura uma pessoa, você é louco ou normal? Se um homem branco instiga seu cachorro contra uma criança negra e todo mundo diz que está tudo bem, se os vizinhos, a polícia, os juízes e os professores dizem “por mim tudo bem”, vale a pena viver? E quanto às pessoas que não acham que está tudo bem? Há uma quantidade suficiente delas no mundo?”.

Essas questões serão o cerne da busca pela escrita realizada por Deborah Levy. Não que a escrita dê respostas claras, mas serve de base à novas perguntas. Questionar o mundo passa pela grafia e qual é a função de um escritor senão levantar dúvidas sobre a normalidade das coisas? Levy escreve para ressignificar o sistema de opressão do qual foi testemunha e que, quando partiu para a Inglaterra, descobriu que mesmo não sendo negra seria oprimida por ser mulher. Projetar a voz pela escrita e tentar entender a violência na sociedade que abafa o som das minorias. Escrever é traçar uma via possível para a escuta do outro.

Coisas que não quero saber é um belo ensaio sobre encontrar seu lugar no mundo, como afirma Deborah Levy em dado momento: “(...) para me tornar escritora, precisei aprender a interromper, a projetar minha voz, a falar um pouco mais alto, e depois mais alto, e depois a simplesmente usar minha própria voz, que não é nada alta.”

***
Fernanda Fatureto é poeta e jornalista. Bacharel em Jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero. Seu livro de estreia Intimidade Inconfessável foi publicado em 2014 pela Editora Patuá. Participa da antologia poética 29 de Abril: o verso da violência (Editora Patuá, 2015); da antologia Subversa 2 (Editora Patuá, 2016) e da antologia Senhoras Obscenas (Editora Benfazeja, 2016).  Possui poemas em diversas revistas literárias do Brasil e na revista InComunidade de Portugal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Alguns dos melhores começos de romances

Uma entrevista inédita com Liev Tolstói

Água viva, de Clarice Lispector

Potnia, de Leonardo Chioda

Avenida Niévski, de Nikolai Gógol

A lista de leituras de Liev Tolstói

De Mário Peixoto, é preciso virar a página

A ignorância, de Milan Kundera

O romance perdido de Sylvia Plath

Boletim Letras 360º #236